Movimento Encontros de Jovens Shalom

Shalom - 15 anos em Tires

A Nossa História

Tudo começou em Angola no início dos anos 60. Em Portugal governava Salazar e, com ele, a ditadura de um regime que não permitia “ajuntamentos”… Em Angola, uma colónia portuguesa, a ditadura também se fazia sentir. Angola era um país marcado pela guerra colonial onde os jovens ansiavam pela PAZ e tinham vontade de ser Igreja! Nesse país em guerra os jovens procuravam algo novo… Luís Carlos sentiu isso… Oriundo dos Açores, em Angola trabalhava, estudava, fazia rádio e teatro. Mas, só aos 22 anos se decide pela vida sacerdotal, entrando no seminário, acolhendo com generosidade o chamamento de Cristo.

De repente algo no seio da Igreja Católica abria horizontes e dava esperança a esses jovens! Era o Concílio Vaticano II, que imprime à Igreja a aventura de rejuvenescer o seu rosto… e como resposta ao apelo do Concílio e indo ao encontro dos anseios dos jovens que pediam à Igreja um espaço onde pudessem ser cristãos sem deixarem de ser jovens. Estes jovens sentiram então o apoio da Igreja para revolucionarem e rejuvenescerem a forma de SER Igreja e de fazer Jesus Cristo vivo, nasce assim o Movimento!

Tudo começou com uns encontros orientados pelo Luís Carlos. Daí os seus membros se chamarem “Encontristas”. Mas não foi fácil: alguns pais acompanhavam os filhos aos encontros, com medo do que lhes era ensinado… Estas reuniões de jovens não tardaram a ser interpretadas de outra forma e a PIDE mantinha tudo debaixo de olho…

Iam caminhando, conforme lhes era permitido e, em Fevereiro de 1967, no Huambo (Nova Lisboa), Angola, é realizado o primeiro Encontro Inicial. Com este fim-de-semana em conjunto, sempre descobrindo o Cristo Jovem, surgem novas ideias a serem postas em prática. Ideias polémicas, inéditas mas interpeladoras. Ideias que deram nas vistas e que chamaram a atenção sobre os encontros de jovens que se saudavam com a palavra Shalom…

A missa yé-yé, cantada em ritmos hippies e explicada passo a passo, foi uma dessas ideias, que mereceu o melhor e o pior da imprensa da altura e que abanou mentalidades. Outra actividade foi o Grande Encontro, um encontro de uma semana, com o tema “Justiça e Paz para o Terceiro Mundo”, em Benguela, 1973. Uma iniciativa em pleno período de contestação à guerra colonial e que suscitou as maiores suspeitas da polícia política. Muitas mais actividades foram realizadas, outras impedidas de realizar mas… a “Evangelização dos jovens pelos jovens” começa a fazer sentido…

Com a queda da Ditadura em Portugal e o fim da Guerra Colonial, estes jovens viram-se obrigados a partir para que este sonho Shalom não morresse. Então com Jesus Cristo no coração e o lema “Evangelizar os jovens pelos jovens” a ecoar pela cabeça, os jovens partiram e plantaram a semente de um Cristo irmão, de um Cristo jovem em Portugal e no Brasil!

Em Portugal

A queda do império colonial português deixou marcas profundas nas províncias ultramarinas, futuros países independentes. Angola, em particular. Com a guerra civil, o sonho Shalom parecia irremediavelmente adiado. Portugal e Brasil são os destinos naturais de êxodo para milhares de portugueses, entre eles muitos encontristas. São momentos de dor, de perda, de deixar tudo para trás. Mas Deus serve-se também dos momentos de angústia e sofrimento para concretizar os seus projectos. E a semente Shalom carregada por ventos de itinerância cruzou oceanos e caiu nos terrenos férteis do Brasil e de Portugal.

21, 22 e 23 de Maio de 1976, Algés: foi o primeiro de muitos encontros que já se fizeram em Portugal. Algés, Damaia, Entroncamento, Torres Novas, Venda Nova, Braga, significavam a adesão dos jovens portugueses à mensagem de uma Igreja jovem, serva, pobre e livre. Eram tempos de muita determinação e generosidade, de muita itinerância e entrega… tempos de desinstalação ao serviço da Evangelização da Juventude. Neste período realizaram-se dezassete Encontros Iniciais. Na diocese de Lisboa foram oito os encontros; em Braga aconteceram cinco; em Santarém realizaram-se dois; em Aveiro um e, ainda, em Viseu, um Encontro Inicial. No Verão de 1981, realiza-se a primeira actividade na Quinta da Cardiga, o Grande Encontro “Cristo Nosso Irmão”. Em Fevereiro de 1982, o Movimento reúne-se em Congresso, na Quinta da Cardiga, Entroncamento. Neste Congresso, as grandes opções centraram-se na inserção paroquial.

Tudo começa a ter o seu lugar, em muitos lugares…

Já em 1983, D. Aloísio Lordscheider reconhece em Fortaleza a Comunidade fundada pelo Pe. Luís Carlos como uma Sociedade de Vida Apostólica. Nasce então (oficialmente) a Comunidade Shalom!

Entretanto em Portugal em 1991 surge a Associação Amigos Shalom com o objectivo de proporcionar a partilha de experiências com as suas vidas, quer profissional quer pessoal, estabilizadas, bem como um apoio económico ao Movimento e à Comunidade.

Mais tarde, em Agosto de 1997, nasce em Fortaleza no Brasil  a Comunidade Shalom Feminina! São mulheres que se sentiram chamadas por Cristo e que dedicam a sua vida ao serviço da Igreja e acima de tudo dos jovens!

Já mais recentes, em pleno século XXI, nascem as Equipas de Vivência e Partilha Shalom, uma resposta, dos adultos que passaram pelo MEJ Shalom, à necessidade de continuar o projecto de aprofundamento na fé e de crescimento pessoal vivido na juventude.

Jovens que evangelizam jovens

Conhecer o Cristo Jovem, um Cristo que vive nos dias de hoje, nas zonas urbanas, presente também nas redes sociais e nas novas tecnologias… fazendo uso das palavras do Papa Paulo VI, “a Igreja só será jovem quando o jovem for Igreja!”… este é o desafio que move qualquer Encontrista.

Encontrista é o nome dado aos jovens do Movimento Encontros de Jovens Shalom porque foi dessa forma que tudo começou: Angola nos anos 60 e o, na altura, jovem seminarista Luís Carlos decidiu realizar ‘encontros’ para levar Cristo e Paz ao coração e à vida dos jovens marcados pela Guerra Colonial. Daí à criação de um movimento foi um pequeno passo e também a esse ideal de paz se deve a escolha da palavra hebraica ‘Shalom’, que significa, entre muitas outras coisas, PAZ.

Com a queda da Ditadura em Portugal e o fim da Guerra Colonial, estes jovens viram-se obrigados a partir, mas não quiseram deixar morrer este sonho Shalom. Então, com Jesus Cristo no coração e o lema ‘Evangelização do jovem pelo jovem’ a ecoar pela cabeça, os jovens partiram e plantaram a semente deste Movimento em Portugal e no Brasil, com o centro da sua acção nas paróquias com a animação de eucaristias e orações comunitárias, na formação de outros jovens, na catequese, no fundo, colocando-se ao serviço, mas levando também o testemunho Cristão para fora das paredes das igrejas, para os sítios onde os jovens se encontram no seu dia-a-dia.

Tudo começa a ter o seu lugar, em muitos lugares…

Educação Libertadora

A maneira de trabalhar do MEJ Shalom baseia-se na Educação Libertadora, sintetizada na dinâmica de Acção-Reflexão-Acção, isto é, um agir comprometido e transformador da realidade e do sujeito da acção. Assim, desde as reuniões aos cursos e encontros, o MEJ Shalom trabalha com as pessoas, partindo da realidade e iluminando-a com a Palavra de Deus, para se fazerem opções concretas de acção, com técnicas que proporcionam a participação activa de todos, sendo os próprios jovens os sujeitos do seu processo.

A espiral

O símbolo do Processo do Movimento é a espiral. Uma espiral que sai da terra, da realidade, e tende para o infinito, onde Cristo Ressuscitado é o ponto culminante. Todos quantos integram este Processo acrescentam um pouco de si… É uma espiral construída com sonhos, com todas as cores, com gente rica e gente pobre, gente do campo e gente da cidade, mas todos, cada um à sua maneira, procurando dar o melhor de si para que outros tenham vida em plenitude.

Outras Informações úteis 

Lema: A Evangelização do Jovem pelo Jovem

Onde estão:

O MEJ Shalom está presente em Portugal (Angra do Heroísmo, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Leiria, Lisboa, Setúbal e Viana do Castelo) e no Brasil. A Comunidade Shalom está em Portugal (Oeiras e Braga) e no Brasil (Fortaleza e Belo Horizonte).

Horários das reuniões / actividades

Reuniões do Secretariado Paroquial – Sábado às 21:30 na Igreja de Tires

Número de elementos: neste momento em Tires somos 7 mas estamos a tentar cativar mais jovens para este ideal.

Equipa Coordenadora do Secretariado Paroquial de Tires (2011/2012)

Coordenador: Duarte Rodrigues (Tlm: 964 391 530 | duarter84@gmail.com)

Secretária: Dina Capela (Tlm: 961 413 069 | capela.dina@gmail.com)

Tesoureira: Daniela Isidoro (Tlm: 968 190 964 | danielafilipa.isidoro@gmail.com)

Email geral: sptires@gmail.com

Link: www.shalom.pt