Estimados irmãos e irmãs, um santo e feliz domingo para vós!

Neste segundo domingo da Quaresma, o Evangelho contempla o episódio da Transfiguração de Jesus.

É verdade que ninguém quer sofrimentos na sua vida e, normalmente, nenhuma criatura quer abraçar o sofrimento. Diante das imagens de pesadelo que evocam sofrimento, o homem treme e sente incapaz para a luta. Jesus ao anunciar o Seu sofrimento, a morte e o caminho doloroso, deixou um sentimento de medo e tristeza nos discípulos que esperavam um Messias vencedor.

O episódio misterioso da Transfiguração de Jesus sobre um monte elevado, o Tabor, diante de três testemunhas escolhidas por Ele, Pedro, Tiago e João, exalta a afirmação de Pedro no dia em que confessou diante dos Apóstolos que Jesus é o Cristo, “O Filho de Deus vivo”.

Por isso, a transfiguração foi motivo de força e encorajamento para os discípulos. Assim, pela Transfiguração, Jesus preparou os discípulos para não se escandalizarem com a Sua Paixão e morte na Cruz, o que para eles foi um trauma e um grande desafio. Jesus mostrou-lhes a Sua glória e divindade e deu-lhes a conhecer um pouco do Céu. Mas para isso, como Ele, temos que passar pelas provações deste mundo, sempre ajudados pelas consolações de Deus. “A Transfiguração ajuda os discípulos e também nos auxilia a entender que a Paixão de Cristo é um mistério de sofrimento, mas é, sobretudo, um dom de amor, de amor infinito da parte de Jesus”. Tem por fim fortalecer a fé dos Apóstolos: a subida à «alta montanha» prepara a subida ao Calvário. Cristo, cabeça da Igreja, manifesta o que o Seu Corpo contém e irradia nos Sacramentos a esperança da Glória (Cl 1, 27). A Transfiguração é o momento em que Jesus revela a Sua glória diante dos Seus discípulos. Vemos na Transfiguração um ensinamento sobre o projeto de Deus e as dificuldades que encontramos no nosso dia a dia, pois, assim como Pedro, que não admitia um messias sofredor, nós, também, às vezes, queremos um Cristo sem cruz.

A Transfiguração é um convite que Jesus dirige aos Homens de todos os tempos, para que, já nesta terra, tenhamos pela fé a experiência daquela glória que contemplaremos por toda a eternidade no Céu. Segundo São Tomás de Aquino, a Transfiguração é o “maior dos milagres”, uma vez que complementou o batismo e mostrou a perfeição da vida no céu.

A Transfiguração ajuda-nos a responder à pergunta: quem é Jesus? E ilumina a nossa fé sobre a pessoa e a atividade de Jesus. Sobretudo, mostra-nos qual caminho que o discípulo deve seguir. Só ao escutar-mos Jesus é que conseguimos realizar a vontade de Deus. O relato da Transfiguração antecipa que a Palavra definitiva do Pai sobre o Seu Filho não é o túmulo escuro e sem vida, mas o esplendor da glória, da vida e da luz.

Cada cristão necessita subir ao monte da Transfiguração para ser iluminado pela luz celeste, para assim conseguir navegar suavemente nas dificuldades da vida e crescer na força de Deus. A Transfiguração lança-nos um convite a aprofundar a nossa fé em Deus e tira-nos o medo de viver perante sofrimentos e provações.

Peçamos ao Senhor a graça da fidelidade aos compromissos cristãos e o dom da escuta.

Pistas de Reflexão

  • Como viver a experiência da Transfiguração no dia de hoje?
  • Como se sente na sua comunidade paroquial?
  • Escutar o Filho Amado é prestar atenção à Palavra de Deus. Que tipo de relação tenho com a Palavra de Deus?

Desejo-vos uma excelente semana.
Pe. Andrew Prince

You have Successfully Subscribed!