O Papa Francisco alertou hoje no Vaticano para a solidão e o “analfabetismo espiritual” na sociedade contemporânea, durante a Missa de Pentecostes a que presidiu na Basílica de São Pedro.

Perante centenas de pessoas, incluindo vários dos seus mais diretos colaboradores, o Papa elencou uma série de “sinais” da “condição de órfãos” de muitos homens e mulheres, como a “a solidão interior”, mesmo no meio de uma multidão, e que se pode tornar “tristeza existencial”.

Francisco aludiu ainda a um “analfabetismo espiritual generalizado”, que torna as pessoas “incapazes” de rezar, e criticou uma “suposta autonomia de Deus” que aparece, no entanto, “acompanhada por uma certa nostalgia da sua proximidade”.

A homilia observou ainda a “dificuldade” que existe em acreditar na vida eterna e de “reconhecer o outro como irmão”.

“A missão de Jesus, que culmina no dom do Espírito Santo, tinha este objetivo essencial: reatar a nossa relação com o Pai, arruinada pelo pecado; tirar-nos da condição de órfãos e restituir-nos à condição de filhos”, precisou o Papa.

Francisco falou desta “condição de filhos” como o ADN de cada ser humano, que a festa de Pentecostes vem sublinhar, porque o Espírito provoca “uma nova dinâmica de fraternidade”.

Agência Ecclesia – ler artigo completo aqui.

You have Successfully Subscribed!