O texto evangélico deste V domingo faz parte de um ensinamento de Jesus aos Seus Apóstolos durante o sermão da montanha. Neste sermão, Jesus ensinou como deve ser a conduta moral e os princípios que devem guiar a vida cristã no mundo. São princípios que levam à autêntica proclamação do Reino de Deus pela palavra e testemunho de vida.

Para que os discípulos entendam que há uma missão a ser cumprida na terra, Jesus faz uma analogia com o sal e a luz. Estas imagens definem a vida do cristão no mundo. Para que serve o sal, senão para salgar? E qual o propósito de se esconder uma vela, uma chama, ocultando-a? Como então podemos fazer e viver a nossa identidade como sal da terra e luz do mundo?

Em primeiro lugar, o sal é um ingrediente essencial na cozinha e tem uma presença ativa na preparação da comida. O sal dá sabor aos alimentos e conserva os alimentos para impedir que se estraguem. O cristão é sal da terra e é convidado a ajudar a sociedade com bons comportamentos para preservar e conservar a dignidade humana. Por isso ser sal da terra e luz do mundo significa ter uma vida que glorifica a Deus e leva outras pessoas a seguir Jesus. O sal insípido não presta e devemos fazer tudo para usufruir os nossos talentos e dons para dar gosto à vida e seduzir mais corações para o reino de Deus.

A segunda imagem que Jesus utiliza na Sua analogia é a Luz; Vós sois a luz do mundo. A luz é para ser vista e iluminar o nosso caminho. No entanto, desempenhar o papel da luz ou ser luz não significa um convite a mostrarem-se à maneira farisaica. Jesus ensina que os cristãos são os instrumentos que Deus utiliza para propagar a luz da salvação em Cristo diante do mundo que está em trevas. Somos sal não para nós próprios, mas para a terra. Ser luz do mundo é não ficar indiferente às necessidades dos irmãos, é partilhar o pão com os famintos, alegrar os corações perturbados e tristes, viver uma vida cheia de paz e amor, evitando egoísmo, o comodismo e o desleixo na oração.

O Evangelho deste domingo é, de facto, um convite ao Cristão para intensificar a vivência das virtudes cristãs no mundo a fim de que toda humanidade possa conhecer Cristo e a Sua mensagem. Também somos convidados a anunciar o Evangelho sem medo da perseguição. Não podemos esconder a mensagem cristã por honra própria.

Que Jesus, a Luz do mundo, nos ajude a entender a nossa missão no mundo e a exercê-la com amor e entusiamo.

Pistas de Reflexão

  • Será que tenho tido o cuidado de cumprir o meu papel de “luz do mundo”, para que ninguém tropece e caia por minha causa?
  • Como vivo a minha vida de ser sal na família?

Votos de uma semana abençoada!

Pe. Andrew Prince

You have Successfully Subscribed!